planob

Chegou a hora de apostar no “Plano B”

Não vem de hoje a recomendação de empresários, empreendedores e investidores de sucesso em apostar nos conceitos de “renda extra” e “plano B”. Muito mais do que somente uma necessidade do ser humano de expandir o leque de opções e diminuir o risco (ou ampliar a segurança), a aposta em um negócio paralelo tem grande correlação com o momento instável da economia nacional.

 

Em uma recente reportagem do jornal “O Estado de São Paulo”, o professor Silvio Passarelli levantou uma necessidade que todo profissional tem consciência, mas adia sua implantação: todas as pessoas precisam ter um plano B. Grande parte opta por dar início (ou se programa para isso) a uma forma de garantir uma renda extra apenas na hora do aperto, quando as saídas são limitadas e as opções afunilam. Algo que vai de encontro ao recomendado pelos maiores especialistas em finanças, segundo os quais todos os profissionais deveriam aproveitar os bons momentos econômicos justamente para se preparar para os possíveis períodos de vacas magras.

 

Ainda assim, construir renda paralela é algo atemporal, que independe da conjuntura econômica e/ou social. Em outras palavras: nunca é tarde para começar. E o mercado profissional oferece boas e grandes oportunidades a qualquer momento para quem está disposto a agir.

 

Características antes classificadas como incapacidade para empreender, como “não saber o que quer”, “falta de conhecimento técnico e/ou capital” ou mesmo “dificuldades em se planejar/organizar” são vistas atualmente apenas como desculpas para a falta de ousadia, já que são cada vez mais acessíveis e fartas as disponibilidades de ferramentas, instituições e oportunidades para quem deseja um emprego, negócio ou renda paralela. E, vale ressaltar, a maior parte delas gratuitas.

 

Já que cada vez menos profissionais estão satisfeitos com o emprego atual e é cada vez mais nítida a presença de uma geração que já não sonha mais com o emprego estável de décadas no mesmo ofício/empresa, garantir um plano B pode também ser a deixa para evitar descontentamentos futuros, já que, hoje, é praticamente impossível conciliar de forma plena qualidade de vida com um péssimo ambiente de trabalho e até mesmo pesquisas mais recentes deixam explícita essa ligação entre felicidade e sucesso profissional.

 

Dar início ao sonho de criança ou mesmo de períodos mais recentes pode ser uma excelente maneira de encontrar uma vocação escondida e com potencial futuro de não apenas incrementar a renda, mas substituir o trabalho principal e alcançar o sucesso profissional tão esperado.

 

Pôr em prática um plano B exige alguns requisitos básicos, claro. Mas, inacreditavelmente, a maior parte deles já faz parte indissociável de qualquer pessoa (ainda que poucos se arrisquem a mostrá-los). O principal deles? Vontade. Capital e outras formas de recursos na grande maioria dos casos podem ser facilmente adquiridos, assim como um planejamento detalhado (business plan), auxílio de profissionais que já percorreram o mesmo caminho e mesmo sócios ou parceiros para a empreitada. Boas doses de determinação, coragem e persistência, contudo, só podem (e devem) partir de você, profissional interessado em construir o seu próprio futuro e tomar as rédeas do seu caminho. Não espere mais para começar o seu projeto paralelo, seja ele qual for. A hora é agora!

 

Cada sonho que você deixa para trás é um pedaço do seu futuro que deixa de existir” (Steve Jobs)